De baixão para cima

julho 17, 2011 § 3 Comentários

Acabamos de voltar da roça com muita coceira e uma coleção de picadas para administrar. Foi muito interessante passar esses dias vivendo uma vida completamente diferente da qual estou habituado. Reformulei meu conceito de conforto, pois percebi que todo o conforto que sempre tive, para quem vive da terra, é luxo. O trabalho é braçal, duro e inadiável.

Nossa casa na roça por fora...

Gostaria de ter mais tempo para falar dessa experiência, mas não tem sido fácil colocar o blog em dia. Mesmo assim, prometo um vídeo para matar a curiosidade daqueles que querem saber como vive o agricultor familiar aqui no Pará.

por dentro

...e por dentro

Falando em atualizar o blog, estou devendo um vídeo a respeito das ocupações que estão acontecendo aqui na cidade, mas antes de apertar o play, vale a pena retomar o que está acontecendo por estas bandas.

O burburinho causado pela possível construção da barragem de Belo Monte fez com que o preço dos bens e serviços em Altamira subisse. Muitos foram os que não conseguiram arcar com o aumento do custo de vida na cidade e tiveram que recorrer às casas de familiares ou procurar um lugar para morar nos baixões.

Muitos moradores dessas áreas não tem a documentação de suas propriedades, estão desempregados ou vivem de aluguel e não tem condições de adquirir um imóvel próprio.

Somando tudo isso ao medo das pessoas de terem suas casas inundadas com a realização da obra, eclodiram as ocupações. Já são quatro em Altamira e isso, provavelmente, é apenas o começo. Segundo dados do MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens), durante a construção da UHE Tucuruí ocorreram 37 ocupações na cidade, que fica a 300 quilômetros em linha reta a leste de Altamira.

Conseguimos autorização para visitar uma aldeia indígena!

Amanhã acordaremos cedo para pegar uma voadeira, espécie de lancha que transporta passageiros pelos rios da região. Partiremos em direção à Terra Indígena Paquiçamba, onde vivem os índios Juruna.

Lá, teremos a oportunidade de acompanhar um encontro entre aldeias que tem como objetivo discutir a construção da usina e de entrevistar Felício Pontes Jr., que é procurador da República junto ao Ministério Público Federal em Belém e está bastante envolvido com a causa.

A experiência na roça foi marcante, mas o que esperar de uma temporada em meio aos índios?

Triplicaremos nosso acervo de picadas e ficaremos, novamente, sem chuveiro, privada, acesso à internet ou sinal de celular. Meu painel solar vai garantir que eu continue filmando tudo, mesmo sem ter a certeza do que filmar.

Até dia 22.

Anúncios

Marcado:, , , , , , ,

§ 3 Respostas para De baixão para cima

  • André D'Elia disse:

    Muito bom! Mas não entendi o que é essa ocupação. As pessoas estão ocupando terras que não serão alagadas, para fugir da beira dos igarapés?

    • gustavoacs disse:

      Exatamente, André. As pessoas estão ocupando terrenos sem dono, terrenos abandonados e limpando-os para construírem seus barracos. Amanhã tem novo post. Acabei de voltar do Paquiçamba.

  • Meu Deus , li e reli , para poder realmente imaginar vc nesta situação…

    Você esta me surpreendendo……

    Todos com quem converso, de você, se orgulham e te invejam ,pela co

    ragem de viver esta aventura, espero que toda esta história dê frutos,

    quem sabe um livro????

    Parabéns.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento De baixão para cima no Xingu Adentro.

Meta

%d blogueiros gostam disto: